quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

News Room - Faixa preferencial para ônibus, medidas simples fazem os ônibus circularem entre 14,9% e 20% mais rápidos

 Faixa preferencial para ônibus, medidas simples fazem os ônibus circularem entre 14,9% e 20% mais rápidos

Ela é apenas uma faixa pintada no asfalto. Não há qualquer tipo de segregação, as invasões de carros de passeio são constantes, principalmente fora do horário do pico, quando há a impressão de menos fiscalização.


A Prefeitura de São Paulo admite que não é uma solução ideal, mas o fato é que as faixas exclusivas para ônibus na Radial Leste, mesmo não sendo o modelo perfeito, permitem com que a velocidade dos ônibus aumente.

Dados da SPTrans, São Paulo Transportes, que gerencia o sistema municipal, mostram que as faixas, pintadas em setembro, fizeram com que os ônibus circulassem entre 14,9% e 20%

A comparação foi feita com base na velocidade média dos ônibus em outubro de 2010, quando não havia as faixas, e em outubro de 2011. A velocidade continua muito abaixo do necessário, mas houve ganhos.

Em 2010, no sentido bairro – centro, sem as faixas, a média era de 12, 5 km/h. Já com as faixas, subiu para 14,4 km/h no mesmo mês de 2011, já com o sistema implantado.

No sentido centro – bairro, o ganho foi maior, passando de 12,7 km/h para 15,2 km/h.

De acordo com a SPtrans, este ganho de velocidade equivale à colocação de 19% de ônibus a mais nas linhas que servem a Radial, mas sem, no entanto, precisar de fato colocar esses ônibus a mais. Isso porque, com maior velocidade, a mesma quantidade de ônibus consegue fazer mais viagens, sem ficarem presos no trânsito, e atenderem mais passageiros.

A Prefeitura promete inaugurar um corredor de ônibus de fato na Radial Leste até o final de 2012, com segregação dos demais veículos e com menos possibilidade de invasão ao espaço do transporte coletivo.

Um ganho importante para a região, mas se for feito mesmo o corredor da Radial Leste, será um trecho que ficará bem longe ainda da meta de 66 quilômetros de corredores prometidas por Gilberto Kassab.

Para justificar o não cumprimento da promessa, Kassab e sua equipe dizem que a Prefeitura colabora com mais de R$ 1 bilhão para obras do metrô.

Uma atitude correta por privilegiar o metrô, mas errada por esquecer os ônibus. Bons sistemas de metrô só funcionam se houver bons sistemas de ônibus complementando o metroferroviário. A lógica é simples: Não dá para levar o metrô para toda a cidade, por causa do custo e das características geográficas de muitas regiões. Sendo assim, as pessoas que moram nestas áreas de mais difícil acesso ou mais afastadas devem ser levadas dignamente ao metrô. E o ônibus é altamente flexível para isso.

A opinião é de Adalberto Maluf, do Instituto de Relações Internacionais da USP, especialista em transportes. Ao jornal O Estado de São Paulo, Adalberto Maluf foi bem realista ao comentar que só metrô não basta, mas que falar em metrô, gera muito mais popularidade eleitoral que planejar um sistema de ônibus que complemente o metrô.

Mas é cada vez mais fácil encontrar críticas ao investimento direto no metrô sem a complementação com corredores de ônibus. O pesquisador do Instituto de Relações Internacionais da USP e diretor da Fundação Clinton no Brasil, Adalberto Maluf, por exemplo, afirma que os investimentos no transporte público de São Paulo estão se perdendo nos trilhos.

‘Vive-se essa ilusão de que o metrô é a única solução para o transporte’, afirma. Para Maluf, isso ocorre porque a classe política sabe que construir metrô resulta em mais dividendos eleitorais e porque parte dos técnicos ligados ao transporte público municipal concorda com essa ideia, segundo ele.

 Fontes: Meu Transporte




Nenhum comentário:

Postar um comentário