quarta-feira, 2 de maio de 2012

NEWS ROOM - Salvador é a 3ª cidade onde mais se perde tempo para chegar ao trabalho


Salvador é a 3ª cidade onde mais se perde tempo para chegar ao trabalho


Se São Paulo há muito tempo é campeã de engarrafamento, Salvador está se empenhando em roubar o posto. Diariamente, 199.306 pessoas que trabalham fora de casa demoram mais de uma hora no trânsito para chegar ao trabalho, de acordo com uma amostra do Censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O número representa 22,03% dos trabalhadores da capital baiana. Salvador perde apenas para São Paulo (31,03%) e Rio de Janeiro (25,34%), que têm cerca do dobro de extensão territorial e têm metrô na rede de transporte público.

“No entanto, essas capitais têm até três vezes o tamanho e a população de Salvador. Na proporção essas metrópoles estão em melhor condições que a nossa”, opina o doutor em planejamento de transportes Juan Pedro Moreno.


Na pele
A verdadeira maratona do garçom Adenilson de Oliveira, 51, é um exemplo entre os 200 mil soteropolitanos que perdem mais de uma hora no trânsito a caminho do trabalho. Tudo começa às 4h30, quando ele acorda em Ilha Amarela, no Subúrbio Ferroviário, para tomar banho e se arrumar. Às 6h tem que estar no ponto de ônibus. Para tornar a jornada ainda mais cansativa, ele anda 20 minutos até chegar ao ponto.

Pronto. Quando consegue entrar no ônibus - porque muitas vezes ele só passa pela catraca já no bairro da Graça - viaja em pé por duas horas até chegar na Barra, onde trabalha. O que ele faz todo esse tempo? “São 18 anos nessa vida, passando sufoco. Tem dias em que o ônibus é tão cheio que a gente fica na ponta dos pés. Mas, às vezes, leio o CORREIO, que pego quando passa em Plataforma. Lá, por causa da sinaleira do Luso, é o maior engarrafamento", relata.

A publicitária Ana Carolina Miranda, 27, diz que sua vida é na Estação. “De casa, em Águas Claras, até chegar na Estação Pirajá levo entre 30 minutos e uma hora. Eu faria esse percurso em 15 minutos, se não fosse o engarrafamento”, afirma. Da estação até o Comércio, onde trabalha, o trajeto dura mais uma hora e meia. A conta fica difícil de fechar quando se pensa no horário em que Ana Carolina deve bater o ponto: 7h. “Eu tenho que acordar umas 4h”. 

 Depois de cinco dias nessa luta, Ana Carolina não quer mais ver ônibus no final de semana. “Eu deixo de sair à noite, abro mão do lazer para ficar em casa”, lamenta a jovem, lembrando também o fatídico dia em que desistiu de ir a um compromisso após passar 1h30 esperando um ônibus. Em Águas Claras, a professora Sandra Castro, 37, é mais uma refém do único sistema de transporte público da cidade. Ela tem dia certo para tomar bronca na escola onde trabalha: segundas e sextas-feiras. “As pessoas já sabem do engarrafamento. Na escola tem condução e os meninos chegam atrasados, mas os professores não podem atrasar. Nestes dias específicos chego às 9h, uma hora depois do que deveria chegar", conta.  A volta para casa é ainda pior. "Saindo às 17h, só chego em casa às 19h30. Mesmo quando consigo uma carona, levo pelo menos 1h30. Por mais que a gente saia mais cedo, acaba ficando preso na ladeira de Águas Claras", diz.CríticasPara  o especialista Juan Pedro Moreno, o resultado da amostra do Censo não é uma surpresa. Ele diz que Salvador é a única grande metrópole brasileira sem um sistema de integração de transportes públicos diversos e 98% das viagens realizadas dentro da cidade estão condicionadas aos ônibus. “Com isso o sistema fica sobrecarregado e insuficiente para atender a demanda. Além disso, as rotas de ônibus não são bem preparadas e acabam levando mais tempo para serem percorridas. Elas são sinuosas, dão inúmeras voltas na cidade”.

Com o sistema precário, o professor diz que a população acaba optando pelos veículos particulares, o que resulta em mais congestionamentos. "Há pelo menos 30 anos não se faz obras para melhorar as vias da cidade. Salvador cresceu, a demanda e o número de veículos aumentou muito e nada foi feito para se adequar à nova realidade. Nem mesmo intervenções mais simples como rotatórias, faixas exclusivas ou intercâmbios viários não foram feitos. A mais recente obra é a via expressa e ainda assim não está terminada", afirma.

O coordenador de Disseminação de informação do IBGE, Joilson Rodrigues Souza, diz que se o sistema de transporte público em Salvador não sofrer as adequações necessárias em breve o tempo médio que a população precisa para se deslocar para o trabalho crescerá acentuadamente. "Se não houver melhora as pessoas continuarão tendo o veículo particular como prioridade. E quem não puder fazer essa opção enfrentará um transporte público cada dia mais lento, precário e inchado", alerta.

Os resultados em Belo Horizonte e Fortaleza, onde 16,55% e 12,7% das pessoas respectivamente, levam mais tempo para conseguir chegar ao trabalho, revelam, segundo o especialista, a importância de investimento. “Eles planejaram e investiram na qualidade dos meios de transporte, na diversidade de opções e sobretudo na racionalidade das rotas”.




Incertezas do metrô 
 
Se o soteropolitano depender do metrô para diminuir o tempo que gasta para ir ao trabalho vai chegar ao serviço atrasado. Com inúmeros prazos estendidos e mais de 10 anos em construção, o primeiro trecho do metrô, que liga Estação Acesso Norte (Rótula do Abacaxi) até a Estação da Lapa, mais uma vez sofre por causa da falta de recursos.

Em visita a Salvador, a ministra das Cidades, Miriam Belchior, condicionou a liberação de mais verbas à conclusão do metrô da Paralela, cujas obras não foram nem licitadas. Além disso, o próprio governador Jaques Wagner já admitiu que a linha da Paralela não ficará pronta a tempo da Copa do Mundo de 2014.

Para que o tramo 1 do metrô finalmente comece a funcionar, a prefeitura terá de desembolsar R$ 51,8 milhões. Segundo o secretário Municipal de Transporte e Infraestrutura (Setin), José Matos, serão necessários R$ 14 milhões para compra de equipamentos para o pátio de manutenção dos trens, R$ 4,8 milhões para adquirir o sistema de catracas e bilheterias e R$ 33 milhões para custear o funcionamento do metrô, que vai operar gratuitamente nos seis primeiros meses.

 “Acho que houve uma falha de comunicação. Em momento algum, o Ministério das Cidades discordou do que estava sendo executado. Mas, agora, exige o envio de um plano de integração tarifária da linha 1 e 2 (Paralela). Como não podemos mais esperar e isso leva tempo, a prefeitura vai pagar a conta”.

Matos  não diz de onde a prefeitura, que passa por uma grave crise financeira, vai tirar o dinheiro. “O prefeito João Henrique está se reunindo com a Secretaria Municipal da Fazenda para decidir de onde sairão os recursos”, resumiu.
Com a verba, Matos afirma que, até 10 de maio será feita a licitação para escolher a empresa que vai operar o metrô na fase da gratuidade, já a partir de agosto. O estacionamento  também não está pronto, mas ele diz que até junho será licitado.

Já em relação ao tramo 2, que liga o Acesso Norte à Estação Pirajá, o secretário explica  que 27% da obra está concluída. Para o andamento das obras desse tramo, Matos afirma que é necessário um acordo entre governo e prefeitura.
“O consórcio Metrosal reincidiu o contrato por achar que não era mais interessante para a empresa. Como terá que ser feita uma nova licitação será mais proveitoso incorporá-la à licitação do metrô da Paralela”. Até decidirem o que será feito, a obra continua parada.

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano da Bahia (Sedur) não se manifestou sobre prazos para início das obras do metrô na Paralela  e nem informou se o Estado pretende incorporar a licitação do metrô da Paralela à linha do Acesso Norte à Pirajá, como quer a prefeitura.

Fonte: Correio do Povo


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário