segunda-feira, 11 de junho de 2012

NEWS ROOM: Ônibus de Vitória unidos ao Transcol, os dois sistemas serão integrados, com a implantação do BRT


Ônibus de Vitória unidos ao Transcol, os dois sistemas serão integrados, com a implantação do BRT
 
 
Os ônibus da cidade de Vitória serão integrados aos do Sistema Transcol, depois da implantação do BRT (sigla em inglês para corredores exclusivos para ônibus). A forma de realização e a data de implantação não estão definidas, mas o modelo de transporte coletivo usado, hoje, na Capital, será mudado.

Por enquanto, há duas possibilidades. A primeira exclui o serviço municipal e reconstrói a ligação da cidade: linhas alimentadoras sairão dos bairros em direção a uma via que terá o corredor exclusivo para, nesse ponto, o passageiro pegar outro ônibus para seguir até o final do trajeto. Nesse caso, poderá ser usado um terceiro ônibus para conclusão da viagem.

A segunda opção considera o aproveitamento das linhas municipais existentes, mas proibindo a passagem delas pelas vias que tenham corredor exclusivo, evitando que haja concorrência entre os dois serviços (como acontece atualmente). Os ônibus do serviço municipal teriam que reduzir ou alterar o percurso, em função do BRT.
 
Mais viagens Nos dois casos, está certo que o passageiro do serviço de Vitória, que hoje consegue atravessar toda a cidade usando apenas um ônibus, precisará usar dois e, talvez, três ou mais veículos para chegar ao destino.

"A forma de andar de ônibus vai mudar. Os veículos serão mais ágeis, cumprirão os horários, e haverá um intervalo pequeno entre eles. Mesmo precisando pegar mais ônibus, a viagem será mais rápida", defende o secretário estadual de Transporte e Obras Públicas, Fábio Damasceno.

Esse aumento de viagens será inevitável, já que a intenção é que os coletivos do município não andem nas mesmas vias dos do BRT. Nesse caso, eles deixariam de passar, logo na primeira etapa – prevista para ser concluída em 2016 –, pelas avenidas Fernando Ferrari, Reta da Penha e Vitória. E também em praticamente todas as vias principais do Centro.

Com a necessidade de o passageiro mudar de ônibus, o Estado estuda como vai cobrar a passagem. "Pode-se cobrar o mesmo valor para todos os percursos ou optar por preços diferentes, de acordo com o trajeto", diz o secretário de Trânsito e Transporte de Vitória, Domingos Sávio Gava.
O que muda?
Tarifa
O valor só será definido após o estudo de mobilidade e das análises de demanda por trajeto. A passagem poderá ter preço único ou ser ajustada de acordo com o percurso
Menos ônibus
Com a integração,  o número de veículos por linha reduz, com a intenção de otimizar as viagens. Como a velocidade será maior, e terá menos trânsito para os ônibus no BRT, será possível levar mais pessoas em menos tempo
GPS
A partir do segundo semestre deste ano, começa a funcionar o monitoramento dos veículos, via GPS, com localização e horários das viagens disponível na internet, via celular. Hoje, Vitória já tem esse serviço
Bicicleta
Os dois sistemas de transporte também serão integrados com as bicicletas. Haverá mais ciclovias, bicicletários públicos nos terminais e em estações de ônibus, e  inclusão do serviço de aluguel de bicicletas
Aquaviário
O projeto do BRT ainda prevê a reativação do transporte aquaviário e a  integração com  ônibus. A primeira linha a funcionar deve ligar a Prainha, em Vila Velha, à região da Praça do Papa, em Vitória
 Gestão do transporte será compartilhada
A Prefeitura Vitória e o governo do Estado não querem compartilhar somente o serviço de transporte coletivo. Ainda há interesse em integrar o modelo de gestão, com o município participando nas decisões do conselho responsável pelo serviço. "O município não abre mão de participar do processo", diz o secretário de Trânsito e Transporte, Domingos Sávio Gava.
A previsão do governo do Estado é de que a gestão do sistema, no futuro, após a inclusão do BRT (somatório dos corredores exclusivos dos ônibus com alta tecnologia empregada a favor do serviço), seja coordenada pela Ceturb-GV, com as prefeituras envolvidas fazendo parte do conselho metropolitano deliberativo.
"É lógico que o Estado terá uma responsabilidade maior sobre o serviço prestado, assim como o poder de decisão. Mas é fundamental a presença dos representantes das prefeituras para atender às necessidades dos municípios e ajudar numa melhor gestão do transporte coletivo", avalia o secretário de Vitória.
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário