sábado, 16 de junho de 2012

NEWS ROOM: Ônibus híbrido da Volvo circulará com 100% de biodiesel em Curitiba


Ônibus híbrido da Volvo circulará com 100% de biodiesel em Curitiba

 Este mês a Volvo iniciou a produção em série de seu chassi de ônibus híbrido na fábrica nacional de Curitiba (PR). As primeiras 60 unidades do modelo já estão vendidas e vão circular no transporte público da capital paranaense. Metade desse total será entregue no fim do próximo mês de agosto, depois de receberem a carroceria Viale BRT da Marcopolo. O restante começa a rodar na cidade apenas em março de 2013. 

O modelo diesel-elétrico é destaque na Rio+20, Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustenatável. Na quinta-feira, 14, a primeira unidade nacional do veículo foi apresentada no espaço da Prefeitura de Curitiba no evento. A iniciativa comprova a importância do projeto e o compromisso da cidade com o transporte sustentável.

O prefeito do município, Luciano Ducci, anunciou no evento que as unidades que circularão na capital paranaense serão 100% abastecidas com biodiesel de soja produzido pela gaúcha BS Bios. O combustível já é usado desde 2009 no transporte coletivo de Curitiba em uma frota de 32 ônibus articulados batizada de Linha Verde, utilizada por cerca de 80 mil pessoas diariamente. A intenção é que até o fim do ano esse volume seja ampliado para 40 veículos.

Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, reconhece que adaptar o chassi híbrido para rodar com o biocombustível foi um desafio. A empresa investiu US$ 20 milhões para nacionalizar o modelo. Desse total, apenas 10% foi aplicado em manufatura e adequação da fábrica. O restante dos gastos foi destinado à área de engenharia. “Levamos quase um ano em horas de engenharia para adaptar o chassi”, revela. Segundo ele, o trabalho foi liderado pela equipe brasileira em parceria com o time da matriz Sueca.

Entre as principais mudanças, Pimenta destaca os filtros de combustíveis e a regulagem do motor. Inicialmente o ônibus híbrido terá cerca de 55% de conteúdo nacional, mas esse índice deve subir. A partir de 2013 o câmbio automatizado I-shift, que hoje é importado, começa a ser fabricado no Brasil. O motor elétrico, a bateria de íons de lítio e o inversor de frequência, no entanto, continuarão vindo da Europa.

EVOLUÇÃO

A Volvo nem concluiu o lançametno do ônibus híbrido no mercado nacional e já programa evoluções do modelo, que até 2016 deverá contar com versões articulada e biarticulada, além do chassi 4x2. O avanço mais importante, no entanto será o aumento da eletrificação. “Queremos chegar a 65% de economia de combustível na comparação com a versão Euro 3 apenas a combustão”, revela Pimenta. O modelo atual promete reduzir o consumo em 35% e as emissões de gases do efeito estufa em 90%.

Para atingir o objetivo, a intenção da montadora é aumentar a participação do motor elétrico. O sistema é responsável por fazer a propulsão do modelo até a velocidade de 20 quilômetros por hora. A partir daí o motor a diesel entra em ação. Em uma versão futura, o veículo deve alcançar velocidades maiores utilizando apenas o sistema zero emissão.

APOSTA NO HÍBRIDO

O início da operação do ônibus híbrido da Volvo é uma aposta de Curitiba, que quer se destacar no transporte sustentável. A cidade investiu R$ 26 milhões na compra das primeiras 60 unidades e não pretende parar por aí. Depois de avaliar a performance do modelo na cidade, a intenção é investir em mais veículos apesar do preço cerca de 50% mais alto na comparação com um modelo convencional do mesmo porte, em torno de R$ 650 mil já encarroçado.

Marcos Valente Isfer, presidente da Urbs, que administra as empresas de transporte coletivo de Curitiba, aponta que alguns incentivos suavizaram a diferença de preço. Um deles é o BNDES/Finame especial para modelos elétricos e híbridos, que financia o valor total do bem com prazo de 12 anos e taxa de 5% ao ano. Outra vantagem é o custo operacional. “A Volvo vai se responsabilizar por toda a manutenção da bateria, que era a nossa maior insegurança. Se tivermos algum problema eles trocam sem custo adicional”, conta.

A companhia decidiu não vender o componente, o que encareceria demais o preço dos chassis. “Dessa forma também nos responsabilizamos pela logística reversa”, explica Pimenta, presidente da empresa. Segundo ele, a fábrica paranaense terá uma área de remanufatura. O executivo estima que a duração média da bateria seja de cinco anos.

Isfer também espera atrair novos usuários para neutralizar o preço mais alto pago pelo novo veículo sem precisar aumentar a tarifa. “O transporte público vai ficar mais atrativo. O modelo é mais confortável, menos barulhento. As pessoas vão notar a diferença”, acredita. O veículo ecológico vai circular em cinco linhas que têm trânsito mais pesado. Dessa forma, o aproveitamento do motor elétrico é maior. Quando entregues, os 60 ônibus vão transportar 20 mil pessoas por dia.

Em 2013 a Volvo pretende produzir até 350 unidades do chassi híbrido. A intenção é elevar os volumes e alcançar reduções nos preços à medida que a demanda evoluir. Pimenta garante já estar em estágio avançado de negociação com a cidade de São Paulo. Há também boas possibilidades de concretizar vendas no Rio Grande do Sul e em Bogotá, na Colômbia.


Fonte: Automotive business
 
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário