domingo, 28 de dezembro de 2014

NEWS ROOM BA: LIMPEZA E RAPIDEZ CHAMAM ATENÇÃO DOS BAIANOS NO METRÔ DE SALVADOR



LIMPEZA E RAPIDEZ CHAMAM ATENÇÃO 
DOS BAIANOS NO METRÔ DE SALVADOR


Conforto, agilidade e segurança faltam no transporte coletivo da cidade, mas sobram no metrô. A Tribuna da Bahia percorreu as estações do sistema metroviário da capital, e pôde constatar a reação e aprovação das pessoas que utilizam o sistema. É gente de todo o tipo, todas as idades, e com finalidades distintas.

Se uns aproveitam o transporte, ainda gratuito, para reduzir o percurso até o trabalho, outros aproveitam para passear. Diversão ou obrigação, o metrô, em seis meses de funcionamento, completados esta semana, já transportou mais de dois milhões de passageiros, conforme a Sedur (Secretaria de Desenvolvimento Urbano do Estado). São 25 mil por dia, conforme a CCR Metrô, concessionária que administra o equipamento. O número, segundo a empresa, está dentro da expectativa.

A primeira parada da equipe de reportagem foi na Estação de Brotas. Um grupo de estudantes percorria a estação tirando foto e filmando. Eles faziam um trabalho para o curso em Técnica de Manutenção, e logo opinaram sobre o espaço.

“Hoje vim com o propósito de fazer um trabalho para o colégio, mas já utilizei algumas vezes para locomoção. Moro no Engenho Velho de Brotas e sempre que preciso ir ao Centro utilizo o do Shopping Bela Vista. Gosto da rapidez que ele proporciona”, disse a estudante Larissa Morena, 16. A colega Daniela Norma, 16, destacou a conservação do equipamento.
“É limpo e agradável, sempre a gente vê funcionários limpando. Acho que são diferenças cruciais dos ônibus convencionais”, disse.

Larissa Morena, no entanto, teme que quando começar a cobrar passagem, possa encher mais e ter poucos lugares. “Acho que tem poucos lugares, e quando tiver um fluxo maior de pessoas podem ficar tipo de São Paulo, muito cheio”, ressaltou.

Dentro do vagão, a caminho da Estação da Lapa, o vigilante David Lima mostrou que já é veterano no metrô. “Pego diariamente, desde que inaugurou. Trabalho no Centro e moro em Matatu de Brotas, então para mim é uma mão na roda. Hoje chego na Lapa em 2 minutos”, disse. Íntimo, ele já sabia onde situava as escadas rolantes, acesso aos terminais, saídas e entradas.

A Lapa é a Estação com o fluxo maior de pessoas, por conta do acesso ao grande centro da cidade. Para a comerciante Viviane Dias, 42, a chegada do metrô reduziu seu tempo de espera para a chegar ao trabalho em 40 minutos. “Moro na Rótula do Abacaxi, e venho todo dia de metrô. Antes eu levava 35 a 45 minutos até o Centro, hoje é menos de cinco minutos. Só de não pegar o congestionamento é uma maravilha”, afirmou.

Os advogados que utilizam o Fórum Rui Barbosa, no Campo da Pólvora, também já se adaptaram ao novo trajeto. A servidora pública Taisa Lacerda disse que utilizou a primeira vez para conhecer, e logo depois passou a utilizar para o trabalho. “Deixo o carro estacionado no shopping e vou para o Fórum. É prático e rápido”, disse.

Pontos positivos:
Se a rapidez, o conforto e a segurança foram características pontuadas por todos os entrevistados, a acessibilidade também é um ponto positivo no local. Logo ao chegar à Lapa, uma deficiente visual entrou na Estação, pelo acesso adaptado a portadores de deficiência e piso em alto relevo. Ela se deslocou, sem precisar de ajuda de estranhos, até o elevador que dá acesso ao vagão do metrô, quando a funcionária da CCR a acompanhou.

Já Rosemary Ferreira é deficiente física, mora em São Marcos e costuma utilizar o Metrô. “Eu fico sempre no Campo da Pólvora porque preciso resolver alguns problemas no local”, conta. Assim que ela apontou na Estação, a funcionária veio em sua direção com uma cadeira de rodas. Ferreira descreve a sensação. “Tratamento vip aqui. Deveríamos ser tratadas com esse respeito em todo lugar”, desabafou.

Quem vai da Estação de Brotas até a Lapa pode ter o privilégio de visualizar alguns pontos turísticos da cidade, como a Arena Fonte Nova. Seguindo até a Estação do Retiro, é possível acompanhar uma parte da cidade do alto, o que atrai a atenção, principalmente dos pequenos. E se para os adultos utilizar o equipamento é sinônimo de praticidade e economia de tempo e dinheiro, para as crianças é só diversão.

Em todos os vagões, a equipe de reportagem encontrou crianças que estavam a passeio acompanhados de seus pais ou avós. O pequeno João Leal, 3 anos, ficou encantado com o passeio e mostrava ao pai todos os lugares que passava. “Ele sempre pede para vir, aí trago para dar um volta. É uma diversão para ele”, revelou o pai de João, David Lima.

Já o garoto Gustavo Magalhães, 6 anos, diz que quer ser “maquinista do metrô”, de tanto que é fissurado pelo meio de transporte. “Ele pede para vir direto, agora de férias então. Aí sempre que venho resolver algum problema na rua trago ele”, disse o pai Eduardo Magalhães, engenheiro. Ele conta que deixa o carro no Shopping Bela Vista e faz o percurso com o filho. “Eu quero morar aqui no metrô”, disse o garoto, sorridente.

Ainda de graça:
Em relação à cobrança para utilização do metrô, tanto a Prefeitura quanto o Governo do Estado afirmaram que as reuniões continuam para viabilizar a integração com os ônibus, bem como a cobrança tarifária.

A Secretaria de Desenvolvimento informou que já há condições técnicas para a integração. A expectativa é que a partir do ano que vem o sistema passará a ser pago e integrado ao transporte coletivo da cidade.

Segundo a CCR, o Sistema Metroviário de Salvador alcançou a marca de milhões de passageiros transportados desde o início da operação assistida, no mês de junho deste ano. “Desde que atingiu um milhão de usuários, em outubro, o modal dobrou o fluxo de pessoas nos últimos dois meses”.

A extensão atual é de 7,3 quilômetros com cinco estações em funcionamento – Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte e Retiro. A próxima estação a entrar em operação é Bom Juá, com previsão para o primeiro semestre de 2015, segundo a Sedur.
Após Bom Juá, a prioridade é concluir a Estação Pirajá e iniciar as obras da Linha 2, que deve estar pronta em 2017.
 
 
Fontes: Tribuna da Bahia





Nenhum comentário:

Postar um comentário